Notícias sobre ações afirmativas

Brasil

Avaliação de desempenho dos estudantes cotistas na UFMG


Referência: Nota de alunos que ingressam na UFMG pela cota já supera a dos não cotistas no último vestibular. Belo Horizonte. Estado de Minas, 26 janeiro de 2016. 

Disponível em: http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/2016/01/26/internas_educacao,728318/nota-de-alunos-que-ingressam-na-ufmg-pela-cota-ja-supera-a-dos-nao-cot.shtml

Com notícia do Jornal Estado de Minas sobre comparativo de notas de estudantes cotistas e não cotistas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), atualizamos nossa Hemeroteca do INCTI-UnB.

Conforme artigo, estudantes cotistas ingressam na UFMG com notas superiores às dos não cotistas em 2013, ano em que houve a última edição do vestibular na instituição. Destaca ainda que o desempenho dos universitários cotistas em nada deve ao desempenho dos não cotistas, conforme dados da UFMG.


Lula nega que ações afirmativas realcem diferenças raciais

Referência: Gonzalez, Cláudio. Lula nega que ações afirmativas realcem diferenças raciais. São Paulo: Vermelho/PCdoB, jul. 2010.

Disponível em: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=132563&id_secao=1

Sobre o autor: Chefe de redação e editor de Brasil, no jornal eletrônico Vermelho.

Sobre o texto: O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu as iniciativas de seu governo para os afrodescendentes, negando que as políticas de ações afirmativas, como a instituição de cotas para negros em universidades e a demarcação de terras quilombolas, realcem as diferenças raciais no país, ameaçando a harmonia racial.

 

MPF sugere ao BID que invista em ações afirmativas no Brasil

Referência: OLIVEIRA, Marcelo. MPF sugere ao BID que invista em ações afirmativas no Brasil. São Paulo: MPF/Procuradoria Geral da República, dez. 2009.

Disponível em:http://noticias.pgr.mpf.gov.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_geral/mpf-sugere-ao-bid-que-invista-em-acoes-afirmativas-no-brasil

Sobre o autor: Marcelo Oliveira trabalha na Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República, em São Paulo.

Sobre o texto: O procurador regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo Sergio Gardenghi Suiama apresentou ontem, 6 de dezembro, no seminário “Advancing Equity: Economic Inclusion & Building Opportunities for the Majority” (Equidade Avançada: Inclusão Econômica & Construção de Oportunidades para a Maioria), promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington D.C. (Estados Unidos), seis recomendações ao banco para que a instituição direcione seus investimentos em ações afirmativas para projetos que melhorem a educação e os empregos da população negra brasileira e que combatam a violência policial contra essa parcela da sociedade.

 

Em conferência na Flip, FHC defende ações afirmativas no Brasil.

Referência: Em conferência na Flip, FHC defende ações afirmativas no Brasil: Ex-presidente destaca perigo que envolve a ideia de raça no país. R7Notícias/Agência Brasil, ago. 2010.

Disponível em: http://noticias.r7.com/brasil/noticias/em-conferencia-na-flip-fhc-defende-acoes-afirmativas-no-brasil-20100805.html

Sobre o texto: O sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, convidado para a conferência de abertura da oitava edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), defendeu nesta quarta-feira (4) a adoção de ações afirmativas no Brasil, mas alertou que é preciso “evitar que a ideia de raça seja o critério definidor absoluto” dessas medidas. Segundo FHC, esse era um equívoco das primeiras versões do Estatuto da Igualdade Racial.

 

América Latina

UNIFEM e UNFPA apoiam inclusão de gênero no censo de 2010 no Uruguai.

Referência: UNIFEM e UNFPA apoiam inclusão de gênero no censo de 2010 no Uruguai. In: Notícias do UNIFEM Brasil e Cone Sul, ano I, n. 13, jul. 2009.

Disponível em:http://www.unifem.org.br/sites/700/710/Mailings/585/13100/ArquivoConteudoMailingPublicado13100.htm

Sobre o texto: A Rodada dos Censos de 2010 será uma oportunidade para aperfeiçoamento das bases de coletas de dados refinados sobre as populações das Américas. No Uruguai, o UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher) Brasil e Cone Sul e o UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas) estão colaborando para a inclusão da dimensão de gênero no censo nacional. O incentivo se traduz na formação em gênero voltada aos recenseadores, elaboração de manual temático para consulta dos pesquisadores e revisão das perguntas formuladas sobre a questão de gênero. Essas ações são resultado do compromisso do governo uruguaio para o enfrentamento das desigualdades de gênero, tendo como marco a criação do INMUJERES (Instituto Nacional das Mulheres) e da Lei nº 18.104 de Promoção da Igualdade de Direitos e Oportunidades entre Homens e Mulheres. Desde 2006, o UNIFEM Brasil e Cone Sul mantém parceria com o INMUJERES para a implementação do Plano Nacional de Igualdade de Oportunidades e Direitos. No Uruguai, UNIFEM Brasil e Cone Sul e UNFPA lideram o Projeto G – “Apoio às políticas públicas para a redução das iniqüidades de gênero e geracionais”. A iniciativa visa o alcance do Terceiro Objetivo de Desenvolvimento do Milênio: eliminar as disparidades de gênero nas oportunidades e condições de trabalho e nos níveis de decisão público e privado.

 

Ministros de Cultura latino-americanos enfatizam políticas públicas afirmativas

Referência: Ministros de Cultura latino-americanos enfatizam políticas públicas afirmativas. Governo do Estado da Bahia/Assessoria Geral de Comunicação Social. Salvador, maio 2010.

Disponível em: http://www.comunicacao.ba.gov.br/noticias/2010/05/25/ministros-da-cultura-da-america-latina-e-caribe-se-reunem-em-salvador

Sobre o texto: O II Encontro Iberoamericano de Ministros da Cultura para uma Agenda Afrodescendente nas Américas começou oficialmente, nesta terça-feira (25) - data em que se comemora o Dia da África - no Teatro Castro Alves (TCA). O objetivo é elaborar um plano que contemple políticas públicas de ações afirmativas para a igualdade racial. Promovido pelo Ministério da Cultura, por meio da Fundação Cultural Palmares, o evento discute até a próxima sexta-feira (28) “A Força da Diáspora Africana”. A intenção é elaborar projetos e propostas de cooperação entre representantes de 20 países da América Latina e Caribe.

 

Censos demográficos e raça nas Américas são temas de encontro organizado pelo governo brasileiro e Nações Unidas

Referência: Censos demográficos e raça nas Américas são temas de encontro organizado pelo governo brasileiro e Nações Unidas. Brasília: Ministério da Cultura/Fundação Cultural Palmares, jun. 2009.

Disponível em: http://www.palmares.gov.br/003/00301009.jsp?ttCD_CHAVE=2346

Sobre o texto: A desagregação de dados por raça/etnia nos censos nacionais de 2010 da América Latina e Caribe estará em discussão no Seminário Internacional de Dados Desagregados por Raça e Etnia da População Afrodescendente das Américas. O encontro reunirá institutos internacionais de pesquisa, especialistas em indicadores socioeconômicos, Nações Unidas e governo brasileiro. O seminário é parte da estratégia de assegurar a visibilidade estatística de afrodescendentes na região das Américas, como uma ação política que garanta a coleta e análise de dados desagregados por raça/etnia nos censos de 2010/2012. A desagregação de dados por raça/etnia pode resultar no aperfeiçoamento das políticas públicas de combate ao racismo e promoção da igualdade racial, de acordo com os compromissos assumidos pelos Estados da região e reiterados na Conferência de Revisão de Durban, realizada em Genebra, em abril de 2009.

 

Mundo

Ações Afirmativas aumentaram elite negra nos Estados Unidos

Referência: MISONNAVE, Fabiano. Ações Afirmativas aumentaram elite negra nos Estados Unidos. Blog Leituras Favre/Folha de São Paulo, mar. 2010.

Disponível em: http://blogdofavre.ig.com.br/2008/11/acoes-afirmativas-aumentaram-elite-negra-nos-eua/

Sobre o texto: Ecoando uma visão crescente nos EUA, o colunista Dennis Byrne, do jornal Chicago Tribune, crê que a eleição de Barack Obama comprova que as políticas de ações afirmativas implantadas a partir da Lei dos Direitos Civis, em 1964, cumpriram o papel de assegurar igualdade de oportunidades aos negros e, portanto, deveriam deixar de existir. Promulgada pelo presidente democrata Lyndon Johnson sob forte pressão do movimento negro, a Lei dos Direitos Civis proibia a segregação em escolas, espaços públicos e no trabalho. Entre outras medidas, determinou que as instituições que recebem fundos públicos, como universidades privadas, eliminassem toda forma de discriminação racial. Desde então, os processos de seleção universitários e de trabalho passaram a criar mecanismos - ações afirmativas - para que o ambiente escolar ou de trabalho refletisse a composição racial norte-americana, onde os negros representam 12%. Ao contrário do que se pensa no Brasil, não há cotas nos EUA - estão proibidas pela Suprema Corte desde 1978.

 

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial.

Referência: As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial. Inited Nations/Nações Unidas. Office of the Resident Coordinator/Escritório da Coordenadora Residente. Brasília: EQSW 103/104.

Disponível: http://www.onu-brasil.org.br/doc/ONUeasPoliticasdeReducaodaDesigualdadeRacial.pdf

Sobre o texto: Este texto foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse manifestado por autoridades do governo brasileiro em conhecer o posicionamento das Nações Unidas em relação às políticas de enfrentamento às desigualdades raciais. O documento informa sobre os consensos mundiais e compromissos internacionais assumidos pelos Estados-membros da Organização das Nações Unidas, inclusive pelo Estado brasileiro em relação a esse tema.


INCT Inclusão
Instituto Central de Ciências - ICC Sul, lado A, Sala BSS 135/138
Campus Universitário Darcy Ribeiro - UnB, Asa Norte
Brasília - DF, Caixa Postal 04561 - CEP 70.919-970