O INCTI

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino e na Pesquisa (INCTI) é uma instituição que se consolidou em 2009, através do Programa dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) criado pela Portaria MCT Nº 429, de 17 de julho de 2008, quando foi selecionado no edital número 015/2008, publicado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG, com a Fundação Carlos Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ, e com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP.

O INCTI representa, no plano histórico da pesquisa em Ciências Sociais e Humanidades no Brasil, a consolidação de uma rede de pesquisadores, antes dispersa por todo o país, que por mais de uma década vem realizando pesquisas e produzindo conhecimento sobre as políticas de ações afirmativas nas universidades brasileiras.

Na medida em que as cotas foram sendo cada vez mais debatidas e aprovadas, principalmente a partir do ano de 2003, foi se intensificando um movimento inédito de intercâmbio entre os professores envolvidos nos processos nas diferentes universidades (especialmente na UnB, na UFPR, na UFBA, na UNEB, na UFSC, na UFRGS e na UFMG). Um campo inteiro de produção científica começou então a ser consolidado no Brasil, o qual tem sido, em boa medida, resultado de trabalhos acadêmicos a cargo de pesquisadores do Instituto.

A própria fundamentação das propostas de cotas nas diferentes universidades exigiu pesquisas empíricas, sistematização e interpretação de dados e a construção de teorias e modelos conceituais sobre ações afirmativas e inclusão em um universo acadêmico com uma configuração histórica e social singular quando comparado com o dos outros países mais conhecidos mundialmente por terem implementado políticas de ações afirmativas: Estados Unidos, África do Sul, Índia e Malásia. O INCTI veio justamente articular cientificamente esse tipo de questões (muitas delas surgidas durante o longo debate das cotas na UnB, instituição sede do Instituto) que circulam nas universidades brasileiras, tanto naquelas que já tem políticas de ações afirmativas quanto nas que ainda não as implementaram.

O INCT de Inclusão conta atualmente com cerca de 23 (vinte e três) pesquisadores que vem acompanhando o processo de ações afirmativas desde o seu início, e muitos deles estiveram envolvidos diretamente no debate e na formulação das propostas de suas respectivas universidades. Os pesquisadores do INCT pertencem a 9 universidades públicas de 4 regiões do país e também  ao IBGE, ao IPEA, ao CINEP, à AMAGIS-DF e à SEDUC-MT.


INCT Inclusão
Instituto Central de Ciências - ICC Sul, lado A, Sala BSS 135/138
Campus Universitário Darcy Ribeiro - UnB, Asa Norte
Brasília - DF, Caixa Postal 04561 - CEP 70.919-970